31 de jul de 2011

Abertas as Inscrições para o 11º Salão Internacional de Humor de Caratinga


Regulamento:

1 – DATAS:
INSCRIÇÕES: Até 20 de setembro de 2011
SELEÇÃO TRABALHOS: 1º de outubro de 2011
ABERTURA: 10 a 30 de outubro de 2011
LOCAL: Casa Ziraldo de Cultura


2 - CATEGORIAS:
Tema livre
CHARGE: Piada gráfica de um tema jornalístico da atualidade
CARTUM: Piada gráfica com temas universais e atemporais
CARICATURA: Deformação gráfica reconhecível de personalidades

CARICATURA TEMÁTICA:
MÍRIAM LEITÃO – (Aquisitivo)
Jornalista, Escritora e Economista
Todos os trabalhos inscritos nesta categoria, independente de serem selecionados ou não, serão aquisitivos para a Associação Estação Cultural de Caratinga...

28 de jul de 2011

COMICON NA AMAZONIA, HQ NA TV UOL, PROAC, FEIRA LITERARIA EM S. BERNARDO E ANIMAMUNDI (SP). LAILSON NA ABL E PREMIO EISNER


Festival de HQ e Cultura Pop

Encontro de Colecionadores de HQ
Dia 25/08
18h00
Local
Instituto de Artes de Belem (PA)

AMAZONIA COMICON
Organizado pelo primeiro grupo de quadrinhos de Belém, Ponto de Fuga (que surgiu na década de 80, após uma oficina ministrada por Gian Danton e Joe Bennett na Fundação Cultural Tancredo Neves).
A produção divulgada em fanzines e exposições promovidas pelo grupo ajudou a dar voz a toda uma geração de amantes da nona arte em Belém. No dia 26, integrantes do grupo estarão presentes para comentar a sessão e conversar com o público.
Ponto de Fuga também e nome de Gibiteca.
Contato
amazoniacomicon@gmail.com
Segundo Ivan Carlo:
http://ivancarlo.blogspot.com/2011/05/gibiteca-ponto-de-fuga.html
"A Gibiteca do grupo Ponto de Fuga, na Casa da Cultura, tinha um esquema simples, mas funcional: havia uma pequena mensalidade (algo em torno de 3 a 5 reais) e esse dinheiro era usado para comprar revistas que a maioria não tinha dinheiro para comprar normalmente (principalmente álbuns, séries e graphics). Além disso, havia originais e pinturas de quadrinistas locais. Gente que hoje faz sucesso nos quadrinhos e na animação frequentou a gibiteca, incluindo: Joe Bennett, Jadson (ambos desenhistas da DC), Andrei Miralha (animador), Marcelo Marat (roteirista e fanzineiro), Miguel Delalor (vive na frança e publica pela Dargaud), entre outros."

TV UOL - Dica do Kendi Sakamoto:

"Caros amigos, peço que vejam os links abaixo. Alvaro de Moya comanda o programa Na Telinha, na Telona
http://tvuol.uol.com.br/#view/id=mauricio-de-sousa-e-o-maestro-julio-medaglia-04020D9A3064D4C11326/mediaId=11852054/date=2011-07-21&&list/type=search/q=alvaro%20de%20moya%20clictv/edFilter=all
Quadrinhos para Quadrinhos e Redondos
http://tvuol.uol.com.br/#view/id=superaventuras-ediex-04020E983162D4C11326/mediaId=11851118/date=2011-07-21&&list/type=search/q=quadrinhos%20quadrados%20e%20redondos%20clictv%20/edFilter=all

PROAC - Comemoracao de Mário Cau:
(Ilustrador e quadrinista)

"Não sei se alguém viu pelo Twitter, mas hoje saiu o Diário Oficial do Estado de SP, e tem os selecionados do ProAC Historia em Quadrinhos. Minha adaptação de Dom Casmurro com Felipe Greco, foi selecionada!!!
To MTO MTO FELIZ!!!"
http://www.mariocau.com
http://www.mariocau.blogspot.com

Veja aqui os resultados da seleção:
http://www.universohq.com/quadrinhos/2011/n28072011_01.cfm
Por Sidney Gusman
28-07-2011
A Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo divulgou ontem, no Diário Oficial, os dez projetos de quadrinhos contemplados pelo ProAC - Programa de Ação Cultural, que existe desde 2008.
Em 2011, foram inscritos 137 trabalhos. Confira a seguir os escolhidos.
Mario Vitor Gouveia Cau, com Dom Casmurro;
Céu D'Ellia, com Zu Kinkajú;
Luiz Carlos Fernandes, com Alma: a história da praça esportiva mais antiga do País;
Roberto Skubs Sobrinho, com Fade out: suicídio sem dor;
Marcelo Shun Izumi, com A jornada de Gugu e Leo;
Pablo Carranza, com Se a vida fosse como a internet;
Éder Gil de Souza, com Seu turno;
Leandro Melite Moraes, com A desistência do azul;
George Victor Schall, com Sabor Brasilis;
Daniel Esteves Macedo Pereira, com Quilômetros Blues.
Cada projeto recebe um prêmio de 25 mil reais para a produção dos álbuns.

FNLIJ


I Feira Literária de São Bernardo do Campo (SP)
Pavilhão Vera Cruz
Av. Lucas Nogueira Garcez, 756.
Espaço de Leitura

Dia 13/8 às 18h vai ter sessão de autógrafos para os lançamentos: O Ateneu, A polêmica e outras histórias e A Cartomante, com Ronaldo Antonelli, Vilacha e Jo Fevereiro.
Eu estarei em viagem para a Coreia do Sul, para participar do Bicof (Bucheon International Comics Festival), por isso nao estarei presente.
Nao percam.
Mais informações:
http://www.escalaeducacional.com.br

A partir do dia 1 de agosto, começa a 1ª Feira Literária de São Bernardo. Inédito na região metropolitana de São Paulo, o evento, que se estenderá até o dia 14, será realizado no Pavilhão Vera Cruz e contará exclusivamente com livros infanto-juvenil.
"O diferencial da feira é que serão apresentados apenas livros da literatura, que vai proporcionar qualidade na educação, o estímulo da leitura e, consequentemente, melhorar a condição de escrita dos alunos", disse a secretária de educação da cidade, Cleuza Repulho.
A expectativa é de 12 mil visitantes por dia. Os ingressos custam R$ 2, com meia-entrada para estudantes e maiores de 65 anos. Cerca de 80 mil alunos da rede municipal irão visitar o local, com entrada gratuita. Para isso, a Prefeitura vai disponibilizar 100 ônibus, que circularão pela cidade levando estudantes e professores ao evento. No final da feira, cada criança ganhará um livro para levar para casa. Cada unidade escolar vai receber uma verba para adquirir livros para a biblioteca da escola.
"A feira vai proporcionar que as escolas melhorem os indicadores de ensino e também proporcionar que o público da região possa conhecer grandes obras da literatura", disse o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT).
Setenta editoras estão confirmadas no evento. Entre os autores que participarão da feira estão Ziraldo, Ruth Rocha, Ana Maria Machado, Ricardo Azevedo. O ministro da Educação, Fernando Haddad, também estará presente no Pavilhão Vera Cruz, contando histórias para as crianças.
A feira é uma parceria com a Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. O investimento no evento foi de R$ 6 milhões.

ANIMAMUNDI
http://www.animamundi.com.br/

O desenho animado O OGRO está em várias sessões do Animamundi em São Paulo. Baseado numa clássica HQ do legendário quadrinista JULIO SHIMAMOTO, o filme já foi exibido na 9a Mostra Cine ABD-GO (onde levou os prêmios de Direção, Animação, Trilha e Som), FANTASPOA (RS), RioFan (RJ) e no próprio Animamundi do Rio. Nestes dois últimos eventos, ocorridos semana passada, tivemos o prazer de assistir às sessões acompanhados do mestre Shima em pessoa. O trailer e maiores informações acerca do filme estão em
http://www.oogro.com.br

OGRO NO ANIMAMUNDI EM SP:
- 28 de julho – 20h
Livraria Cultura 2 – Rua Padre João Manuel, 100 – Jardim Paulista
- 29 de julho – 13h
Cinema CCBB SP – Rua Álvares Penteado, 112 – Centro
- 30 de julho – 15h30
Espaço Unibanco Cinema 2 – Rua Augusta, 1475 – Consolação

Animamundi | Turma da Mônica homenageia cinema nacional
Mauricio de Sousa Produções cria curtas para marcar os 500 filmes patrocinados pela Petrobras


http://www.omelete.com.br/cinema/animamundi-turma-da-monica-homenageia-cinema-nacional
(Fonte: Marcelo Forlani, Omelete)
"A retomada do cinema nacional, que tem como filme de partida Carlota Joaquina (1994), é profundamente ligada também ao patrocínio da Petrobras. A estatal do petróleo atingiu este ano a marca de 500 longas-metragens lançados com a sua ajuda e vem festejando o fato nos principais festivais de cinema do país.
Em Tiradentes, foi feito um desfile de Ronaldo Fraga. Silvio Botelho criou bonecos gigantes e literatura de cordel no Recife. E agora, para o Animamundi, a Mauricio de Sousa Produções criou uma série de curtas-metragens com os personagens da Turma da Mônica interagindo com figuras marcantes do cinema nacional, como Capitão Nascimento e Zé Pequeno em homenagens que vão de O Homem que Copiava e Cheiro do Ralo a Se Eu Fosse Você."

LAILSON NA ABL, RIO

http://www.lailson.com.br/
Hoje, 28 de julho de 2011, às 17:30, Lailson (chargista e musico integrante da lendaria banda de Rock pernambucana Satwa) fez uma palestra na Academia Brasileira de Letras sobre "QUADRINHOS: ARTE SEQUENCIAL". Pode ser assistido na Web TV da entidade:
http://www.academia. org.br
O encontro teve a participação de Chico Caruso e Paulo Maffia, abertura e encerramento do Acadêmico Marcos Vinicius Vilaça e coordenação do Acadêmico Luiz Paulo Horta.
Segue o link para o vídeo de apresentação de Satwa no FIG 2011.
http://www.youtube.com/watch?v=eLtexSAbca4&feature=related

PREMIO EISNER - Brasileiros levam dois prêmios no "Oscar dos quadrinhos"

"Eisner Awards, tradicional premiação da HQ, aconteceu nesta 6ª. Um dos vencedores, Rafael Albuquerque, é colaborador do iG Jovem.
(Fonte: IG Brasil)
http://jovem.ig.com.br/brasileiros+levam+dois+premios+no+oscar+dos+quadrinhos/n1597096456432.html
Para os irmãos Gabriel Bá e Fábio Moon não foi novidade - eles ganharam nesta sexta (22), na Comic-Con, em San Diego (EUA), seu quarto Eisner Award, maior prêmio da HQ mundial. Desta vez, eles levaram o troféu de melhor minissérie, por "Daytripper".
Mas eles não foram os únicos: Rafael Albuquerque também foi um dos premiados por "Vampiro Americano", que venceu a competição de melhor série nova e cujos desenhos são assinados por ele. Rafael já tinha sido indicado uma vez, mas este é seu primeiro Eisner. Ele é também um dos quadrinistas do iG Jovem. Conheça aqui seu trabalho.
A série "Vampiro Americano", que ficou na lista de mais vendidos do jornal "The New York Times", foi criada por Scott Snyder, de "Voodoo Heart". As histórias são assinadas por Snyder e pelo escritor norte-americano Stephen King. Todos os desenhos são de Rafael."

26 de jul de 2011

O QUE FALAM DA LEI DOS 20% DE QUADRINHO NACIONAL?


PARTICIPE!
Fale voce tambem...
Envie seu e-mail para Worney e Patricia:
produtoraculturalwaz@yahoo.com.br, patricia.rubin@camara.gov.br

BIRA DANTAS
biradantas@globo.com
(Chargista, caricaturista, cartunista e ilustrador)
Acho que toda iniciativa e' sempre bem vinda. Mesmo publicando meus Quadrinhos pela editora Escala Educacional (que publica 100% de Quadrinho Nacional), acho importante uma Lei como essa que levanta a discussão na categoria. Varias editoras talvez publiquem estes 20% ou perto disso, o importante e' levantar a discussão e criar a Lei para regulamentar isso. Podemos notar que na historia recente do Brasil, nomes de batalhadores do Quadrinho brasileiro surgiram em grandes embates em meios públicos e parlamentares. Alem da possibilidade de desdobramento em outras áreas de produção cultural, como escreveu o cartunista gaúcho Byrata:
http://byrata.blogspot.com/2011/01/30-de-janeiro-e-o-dia-nacional-das.html
"Na década de 50 criou-se uma cooperativa de desenhistas e argumentistas de Histórias em Quadrinhos em Porto Alegre, que contou com o apoio do (então) Governador Leonel Brizola e do Presidente Jango Goulart que estimulou a criação de uma lei que estabelecia certa reserva na publicação de HQs no país (...), para tantas histórias estrangeiras publicadas deveria haver outras tantas HQs brasileiras. A CETPA- Cooperativa e Editora de Trabalho, foi responsável pela produção de várias HQs nacionais, entre elas “SEPÉ” e “ABA LARGA”, que acabou gerando um filme longa metragem, rodado em Santa Maria (RS)."
Assim como no Sul, em São Paulo houve uma discussão grande sobre Leis (como a do então deputado "Chapeu de Couro") que beneficiassem este mercado. Despontaram nessas lutas (pelo desenvolvimento de produtores, editores e leitores do Quadrinho nacional) nomes como Julio Shimamoto, Ely Barbosa, Jayme Cortez, Flavio Colin, Mauricio de Souza, Franco de Rosa, Gualberto, Jal, Worney e tantos outros, como podemos ver nestas entrevistas com Goncalo Jr, Jal e na Wikipedia:
http://www.oocities.org/br/ademirdepaula/goncalo.html
http://www.meuheroi.com.br/entrevistas/300-entrevista-jal-o-criador-do-premio-hqmix.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/História_em_quadrinhos_no_Brasil
Ou seja, sempre que tem debate publico, os quadrinhistas se fortalecem, o mercado se engrandece e o publico leitor recebe mais Quadrinhos, com mais qualidade.
Isso ja' e' motivo para apoiar o Projeto de Lei 6060/2009, nas mãos do relator, o Deputado Federal Rui Costa (PT/BA).

EDERSON CHRISTIAN ANTONIO
edersondesigner@yahoo.com.br
(Caricaturista e ilustrador)
"Achei muito interessante e de grande valia o projeto, acho que vai gerar muito mais oportunidades para os artistas nacionais.
Um grande abraço!!!"
http://www.edersondesigner.blogspot.com

ELMANO SILVA
krahosilas@ig.com.br
(Quadrinhista)
"Qualquer projeto que possa "desenferrujar" a inexistente quota de
produção de HQs.nacional, será um bom começo.
Que não fique somento em
projetos, como tudo neste Brasil desgovernado."
http://pt.wikipedia.org/wiki/Elmano_Silva
http://pt-pt.facebook.com/people/Elmano-Silva/1009463516

MICHELLE RAMOS
zinebrasil@gmail.com
(Roteirista, editora, pesquisadora e crítica de quadrinhos)
Otima noticia Bira ;)
http://zinebrasil.wordpress.com
http://twitter.com/michelle_ramos

XALBERTO
xalba1@hotmail.com
(Chargista e Quadrinhista)
"Bacana, Bira!
Parabéns pela iniciativa, Worney! Vamos ver se agora a nave decola!
Abraços!"
http://www.guiadosquadrinhos.com/artistabio.aspx?cod_art=1400
http://pt.wikipedia.org/wiki/Xalberto

MORETTI
fernanmoretti@gmail.com
(Jornalista e cartunista)
"Projeto de Lei 6060/2009 - Câmara dos Deputados
Pessoal, o Worney recebeu essa correspondência do gabinete do deputado Vicentinho, sobre a Lei (em PDF, no anexo) de Cota de 20% de Quadrinho Nacional para editoras.
Leiam, discutam e enviem suas opiniões para o e-mail do Worney, vamos ver o que a categoria acha do assunto...
Abracos"
http://www.morcegolivre.vet.br/stevao_2004.html
http://maurinemoretti.110mb.com/archives/cat_chargesmoretti.html

RICE ARAUJO:
ricearaujo@gmail.com
(Cartunista e tirista)
"Oi, Bira.
Acabo de ler o projeto de lei sobre os 20% de reserva para hqs e tiras
nacionais que o Mastrotti me enviou e respondi para o Worney.
A princípio sou bem favorável a existência de reserva de mercado para
HQs e tiras, a exemplo de outros países e de outras áreas como o
cinema.
Tenho algumas dúvidas sobre a qualidade do que será publicado a partir
do momento em que as editoras sejam obrigadas a contratar
profissionais ao invés de meramente licenciar produções oferecidas a
preços muito atraentes pelos sindicates mas... como o produtor de
quadrinho nacional não é dos mais caros do mundo acho que será um
fomento interessante e que dará bons frutos.
Quanto as tiras achei a lei mais agressiva e positiva exigindo uma
cota de 50% para os tiristas nacionais. Muito provavelmente o que
acontecerá é que ao invés de haver uma entrada maciça de novos
tiristas no mercado, os tiristas já consagrados ampliem seus mercados.
Mas mesmo assim abrirá espaço para alguns novos autores certamente,
por isso me parece bom apoiarmos a iniciativa sim.
Se houver alguma discussão sobre o assunto e articulações nesse
sentido gostaria de engrossar o coro.
Conheça um pouco do meu trabalho em:"
http://www.brazilcartoon.com.br/blog/ricearaujo/galeria/656

FE VITTI:
fevitti@yahoo.com.br
(Ilustrador associado à ABIPRO)
"Olá Bira, tudo bem?
Tenho acompanhado meio de longe a movimentação da AQC acerca do projeto de lei para incentivo a produção de HQs, criando uma reserva de mercado nacional.
Faço parte da diretoria da ABIPRO (Associação Brasileira de Ilustradores Profissionais), que acredito que você já deva ter conhecido.
Nós defendemos qualquer iniciativa que fortaleça as artes visuais junto ao governo e essa também é interessante para todos.
No que precisar, estamos a disposição para fazer mais voz.
Abraços"
Estúdio Tris
http://www.estudiotris.com.br/
http://www.fvitti.blogspot.com
http://www.ilustracaodigital.com

22 de jul de 2011

LANCAMENTOS DE QUADRINHOS EM SAMPA, CAMPINAS, ARARAQUARA E VIDEOS COM WORNEY


SABADO, NA HQMIX EM SAMPA, SÃO JORGE DA MATA ESCURA
(Bira Dantas)
Confesso que li a HQ em dois folegos.
No primeiro, percebi a trama montada por Marcello Fontana, personagens interessantes, roteiro bem amarrado, diálogos precisos. O prefacio, ou posfacio, nao lembro, fala de sua ligação com a cidade de Salvador, com a religiosidade do povo, com Jorge, o matador de dragões.
Num segundo fôlego, percebi a arte diversificada. Voltei ao inicio, a capa chama atenção por um cuidado esmerado na arte e composição, quase europeu. Na HQ de abertura, a arte de Cedraz e' de encher os olhos, este Mestre dos Quadrinhos, cuja historia e' tao ligada ao nordeste, a Salvador, a Sao Jorge... a pintura de suas nuvens e' quase comico-surrealista. Depois vem os desenhos super caprichados de Andre' Leal -meu ex-parceiro de revista Front- impecável. Incrível como os personagens desenhados em estilos diferentes tem tanto em comum. As ilustrações quadrinizadas de Naara Nascimento (que aprecio ha tanto tempo), deram um toque tragico-historico na HQ.
Os desenhos dao um suporte perfeito a esta historia urbano-fatidica, fechada a chave de ouro, com seu final inesperado.
Parabens aos criadores.
http://hqmataescura.blogspot.com/
23 de Julho
19:30
Livraria HQMix
Praça Roosevelt, 142
Sao Paulo SP

SEGUNDA, NA FNAC EM CAMPINAS, O ATENEU

(Foto e texto Fernando Eduardo Pacifico)
http://eptv.globo.com/campinas/variedades/NOT,1,1,359688,Bira+Dantas+transforma+classico+de+Raul+Pompeia+em+quadrinhos.aspx
"De um pequeno trabalho escolar a uma paixão, passaram-se 33 anos desde que Ubiratan Libanio Dantas de Araújo, na época com 15 anos, fez a primeira adaptação de um clássico da literatura para os quadrinhos. “Estudava no colégio Ascendino Reis (Tatuapé-SP), quando minha tarefa foi transformar “O Guarani”. Ao invés de um índio idealizado, com a minha interpretação ele ficou mais parecido com o Tarzan”, recorda-se Bira Dantas - como é conhecido - aos risos.
A antiga brincadeira deu espaço a formas mais precisas, embora sempre trabalhadas com o intuito de experimentar. Nesta segunda-feira (25), a partir das 19h, o artista lança seu terceiro trabalho na livraria Fnac Campinas do Parque Dom Pedro Shopping. Trata-se da adaptação de “O Ateneu”, romance de Raul Pompéia, publicado pela primeira vez em 1888.
O enredo é pautado pelas críticas às instituições de ensino das elites do século XIX. Bira Dantas contou que a adaptação do texto, feita por Ronaldo Antonelli em 68 páginas, manteve a introspecção e a essência das falas. “O leitor da obra original vai perceber poucas diferenças. Alguns trechos foram sintetizados para deixar a leitura mais leve e para casar com os quadrinhos e formar cenas.”
Revela que quase desistiu da adaptação. “Foi um desafio muito grande, pois é um texto pesado e que dá pouca margem para a criação visual. O fato do Raul (Pompéia) ter sido o ilustrador da 1ª versão acabou me inspirando. Consegui finalizá-lo seis meses após o prazo combinado com a editora.”, comenta.
Diferenças
O estilo “experimentador” de Bira Dantas pode ser compreendido comparando a adaptação de “O Ateneu” com suas obras anteriores: “Memórias de um Sargento de Milícias” e “Dom Quixote de La Mancha”.

No romance de Manuel Antônio de Almeida, contou ter “dado mais palpites” nas alterações do texto, com o objetivo não apenas eliminar pleonasmos provocados pela junção com imagens, mas também de oferecer um ritmo diferente. Apesar de mais leve, a obra também preservou as características centrais da história. Os quadrinhos foram feitos a partir do uso de nanquim, sombreado com grafite e cores digitais (feitas por Maurício DNA e Caio Freitas).
Por outro lado, no clássico de Miguel de Cervantes, o quadrinista foi além: inseriu o autor espanhol na trama. “Eu me senti bastante à vontade, porque existe margem para uma loucura visual”, afirmou ao mostrar que os desenhos foram feitos com o emprego de nanquim e aquarela.
Em “O Ateneu”, lápis e guache foram as ferramentas escolhidas para representar um tom mais naturalista. “Como as adaptações são voltadas para público mais jovem, tive de suavizar, por exemplo, uma cena de sexo, afinal a imagem é muito mais forte do que as palavras.“, explica.

Questionado sobre a cena favorita, Dantas não titubeou: “a sequência em que o jardineiro mata o namorado da faxineira. É um dos pontos mais dinâmicos da obra”, avalia.

Novo Projeto
Desde o início do ano, o artista pesquisa sobre “Ilíada”, poema de Homero. Segundo Dantas, o objetivo em inovar continua. “A minha intenção é a de colorir os quadrinhos usando a tablet. Embora o recurso seja diferente, a característica do meu “traço” vai permanecer”. A previsão é de que o lançamento aconteça em 2012.

Sobre a importância das adaptações como incentivadoras do hábito da leitura, o ilustrador mostrou-se feliz com o resultado. “É uma alegria grande, pois as obras acabam por satisfazer quem conhece os originais e também levam os novos leitores a querer conhecer a versão tradicional.”

Bira Dantas
Paulistano, Dantas mora em Campinas e trabalha com HQ, ilustrações e charges desde 1979. Além de ilustrar livros e materiais produzidos por sindicatos, foi desenhista da revista em quadrinhos “Os Trapalhões” e colaborou para as revistas Pântano, Tralha, Porrada e Megazine, além dos jornais Retrato do Brasil, Diário do Povo (Campinas) e Folha da Tarde (SP). Dentre os prêmios mais importantes que recebeu estão: Prêmio do Salão de Humor do Chipre, em 2002 (primeiro prêmio internacional); Ângelo Agostini em 2005 (como melhor cartunista brasileiro) e HQMix em 2009 (pela melhor adaptação em quadrinhos com "Dom Quixote").

Atualmente, Bira Dantas é professor de charge, cartum e caricatura na Escola Pandora, em Campinas, e produz diariamente as tiras do “Tatu-Man”. Neste ano, o artista participou do Festival de Quadrinhos em Angoulême, na França.
Destinada a estudantes do ensino fundamental e médio, a adaptação de “O Ateneu” faz parte da série “Literatura Brasileira em Quadrinhos”. A obra foi lançada primeiramente na capital paulista, no mês de junho."

Serviço:
http://www.fnac.com.br/LojasEvento.aspx?idLoja=5&dtEvento=17
O quê: Lançamento da adaptação em quadrinhos de “O Ateneu”
Quando: Segunda-feira (25), a partir das 19h
Onde: Livraria Fnac – Shopping Parque Dom Pedro
Avenida Guilherme Campos, 500, Jardim Santa Genebra
Informações: (19) 2101-2000 ou
http://www.ateneuhq.blogspot.com

AGITO CAMPINAS
http://www.agitocampinas.com.br/eventos/lancamento-do-livro-o-ateneu/10766

IMPULSO HQ
http://impulsohq.com/noticias/o-ateneu-em-quadrinhos/
Lançamento de livro O Ateneu conta com a presença de Bira Dantas para um bate-papo e noite de autógrafos
Adaptação em quadrinhos apresenta o romance mais popular de Raul Pompéia, que foi publicado originalmente em 1888, primeiro em folhetins e logo depois em livro. A obra traz o drama de um menino que, arrancado do lar, é enviado para um internato.
Com texto de Ronaldo Antonelli (que nao estará presente no lancamento) e ilustrações de Bira Dantas, a HQ que faz parte da
coleção Literatura Brasileira em quadrinhos da editora Escala Educacional, traz um belo roteiro e traços divertidos e coloridos, que aproxima o jovem leitor do estilo realista da obra original.
O primeiro bate-papo foi no dia 11 de junho, sábado, na HQMIX Livraria. Quem não compareceu nesse dia terá uma segunda oportunidade no dia 25 de julho, segunda-feira, na FNAC Campinas, a partir das 19h."

O Ateneu em Quadrinhos
Autor: Raul Pompéia
Roteiro de: Ronaldo Antonelli
Ilustrações de: Bira Dantas
Editora: Escala Educacional
17 x 24 cm
Lombada quadrada
4 cores
64 páginas
R$ 23.90

FNAC Campinas
Shopping D. Pedro
CAMPINAS – SP

EM ARARAQUARA, TURMA DO PIPOCA E NANQUIM LANCA LIVRO SOBRE HQ

http://eptv.globo.com/lazerecultura/NOT,3,7,359170,Livro+reune+historias+de+4+herois+das+HQs+adaptadas+para+o+cinema.aspx
(Fabiana de Paula)
“Quadrinhos no Cinema – O Guia Completo dos Super Heróis”, escrito pelo trio de amigos Alexandre Callari, Bruno Zago e Daniel Lopes, com enfoque para os personagens Thor, Capitão América, Lanterna Verde e Conan.
Colecionador de quadrinhos desde 1987, o escritor Alexandre Callari, de 35 anos, explica porque personagens como Besouro Verde e os mutantes X-Men, que também tiveram suas histórias adaptadas para o cinema recentemente, ficaram de fora do guia. “O Besouro Verde é um personagem de pouca expressão nos quadrinhos e a história dos X-Men renderia um livro só para ela e se tornaria uma obra monstruosa, o que inviabilizaria o projeto.”
O livro lançado pelo selo Generale
http://www.editoraevora.com.br/livro/quadrinhos-no-cinema.aspx
braço da editora Évora focado na cultura pop, traz desde curiosidades da biografia dos autores a dicas de quadrinhos considerados essenciais para o melhor conhecimento dos personagens. Segundo Callari (foto ao lado), o objetivo do trio era reunir em uma mesma obra informações que suprissem a curiosidade do leigo em HQs, que acabou de ver o filme e deseja se aprofundar na história, e que também não desapontasse os leitores assíduos dos quadrinhos. “O grande desafio foi fazer um livro que agradasse ao fã e que ao mesmo tempo não fosse altamente técnico para aqueles que acabaram de ver o filme e querem saber mais detalhes sobre os super-heróis. Tentamos fazer um livro que agradasse tanto ao iniciante quanto o fã que já conhece as histórias.”
O processo de desenvolvimento levou um ano entre pesquisas, produção e formatação. O resultado é uma obra de 240 páginas com centenas de ilustrações dos quatro super-heróis. O trio de autores se conheceu durante uma exposição dos quadrinhos de Callari, que atualmente conta com um acervo de mais de 11 mil publicações, no Sesc Araraquara. O publicitário Bruno Zago, assim como Callari, mora em Araraquara e o economista Daniel Lopes, vive em São Carlos. Os três são responsáveis pelo site Pipoca e Nanquim
http://pipocaenanquim.com.br/
especializado em quadrinhos e cinema, e juntos apresentam o programa de mesmo nome veiculado aos fins de semana na TV e rádio Uniara.

WORNEY FALA DOS CLASSICOS

Abaixo links de duas entrevistas para a TV UOL sobre lançamentos produzidos pelo diretor da AQC (e ex-editor do tambem classico fanzine Quadrix): "Garra Cinzenta" pela Editora Conrad e "Messias de Mello e o Espiritismo" pela Editora Marca da Fantasia.
Worney fala do Garra Cinzenta
http://tvuol.uol.com.br/#view/id=livro-garra-cinzenta-04024E1C3768D4C11326/mediaId=11854789/date=2011-07-22&&list/type=search/q=GIBI%20RARO%20CLICTV/edFilter=all/

E fala de Messias de Mello
http://tvuol.uol.com.br/#view/id=messias-de-mello-e-o-espiritismo-04020C1B3368D4C11326/mediaId=11854360/date=2011-07-22&&list/type=search/q=GIBI%20RARO%20CLICTV/edFilter=all/

Worney Almeida de Souza
http://produtoraculturalwaz.wordpress.com/about/
Jornalista, pesquisador, produtor, editor, arte educador produtor de eventos e exposições e colecionador de quadrinhos.
Escreveu e produziu para as editoras: Press, N.G., Nova Sampa, Maciota, Combat Sport, Ondas, D-Arte, Vidente, Conrad, Ícone, Canaã, Xanadu, Gênero, Midwest, Activa, Opera Graphica, Escala, Minuano, Xamã e Mythos.
Editou, produziu, escreveu, diagramou e distribuiu, entre outros, os fanzines: “Quadrix”, “Seleções do Quadrix”, “Boletim da AQC-ESP”, “Boletim do Comix Club”, “Lixo Cultural”, “Rabo de Peixe” e “Rabo de Peixe Express”.
Colunista sobre revistas em quadrinhos e cultura pop dos seguintes jornais: Jornal “Hora do Povo” – São Paulo – diário (desde 1989 a 1999) (mais de 1.200 artigos publicados), “Jornal do Cambuci e Aclimação” – São Paulo – semanal (1991 a 2004), “Folha do Comércio de Santana” – São Paulo – semanal (desde 1995 a 1998), “Jornal do Centro – São Paulo” – quinzenal (1993 a 1996), “Jornal de Santana” – São Paulo – semanal (1992 a 1995), “Jornal Vitrine Especial” – Taboão da Serra – semanal (1994 a 1995), “Folha da Tarde” – São Paulo – semanal (1984 e 1992), “Jornal Leia SP” – São Paulo semanal (1992 a 1993) e “Jornal Vila Maria Express” – São Paulo (1994).
Produtor das 25º edições do Prêmio Angelo Agostini – O Dia do Quadrinho Nacional, desde 1983, Exposição dos 80 anos da revista “O Tico Tico”, em 1985, exposições e eventos vinculados à AQC-ESP, desde 1983 e lançamentos de publicações do Comix Club (1994 a 2005).
Participou nas publicações “Colunistas Brasileiros – 1995″ e “Colunistas Brasileiros – 1998″, do Sindicato Jornalistas de São Paulo.
Criou e operou as distribuidoras de revistas: Comix Club (1995 a 1999) e Dacta (2000 a 2008).
Trabalhou na Assessoria de Secretaria Municipal de Abastecimento – PMSP (1987 a 1988), atendimento à mídia e no Núcleo de Comunicação da Secretaria Municipal de Saúde-Covisa-PMSP (2005 a 2008 ) na operação e redação da página eletrônica.
Arte educador ministrando oficinas sobre Histórias em Quadrinhos na Fundação Casa de São Paulo (SP) (2007,08 e 09 ).
Reconhecido em: Prêmio Maciota -Melhor Fanzine de 1986 (“Quadrix”), Prêmio Angelo Agostini – Melhor Lançamento de 1988 (“Garra Cinzenta”), Prêmio do Festival do Gibi – Gibiteca de Curitiba em 1989 (“Quadrix”), Prêmio Jayme Cortez de 1991 – Incentivo ao Quadrinho Nacional, Prêmio-participação Semana de HQ de Ferraz de Vasconcelos de 1995, Prêmio HQ MIX – Melhor Graphic Novel Nacional de 1995 (“À Meia Noite Levarei sua Alma”) e Prêmio Bigorna – Grande Contribuição à HQ Nacional de 2008.

20 de jul de 2011

Projeto de lei n.º 6060-2009 - Para produção de HQs

Leia aqui a proposta da Lei de incentivo para a produção, publicação e distribuição de revistas em quadrinhos nacionais.

(Enviado por Patricia Rubin Secretária Parlamentar do Gabinete do Deputado Federal Rui Costa - PT/BA: patricia.rubin@camara.gov.br
PROJETO DE LEI N.º6060-2009

DEPUTADO VICENTINHO
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Estabelece mecanismos de
incentivo para a produção,
publicação e distribuição de
revistas em quadrinhos nacionais
.

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Esta Lei estabelece incentivo para a produção e distribuição de histórias
em quadrinhos de origem nacional no mercado editorial brasileiro.

Art. 2º As editoras deverão publicar um percentual mínimo de 20 por cento de
histórias em quadrinhos de origem nacional, considerando-se o conjunto das
publicações do gênero produzidas a cada ano, na forma da regulamentação.

§ 1º Considera-se história em quadrinhos de origem nacional aquela criada por
artista brasileiro ou por estrangeiro radicado no Brasil e que tenha sido
publicada por empresa sediada no Brasil.

§2º O percentual de títulos estipulado no “caput” deste artigo será atingido da
seguinte forma: cinco (5) por cento no primeiro ano de vigência desta lei; dez
(10) por cento no segundo ano; quinze (15) por cento no terceiro ano,
atingindo-se a cota de 20 por cento no ano subseqüente.

Art. 3º As empresas distribuidoras deverão ter um percentual mínimo de 20 por
cento de obras brasileiras em quadrinhos entre seus títulos do gênero,
obrigando se a lançá-los comercialmente.

§1º O percentual de títulos e lançamentos a que se refere este artigo será
implementado na forma prevista no § 2º do artigo anterior.

Art. 4º Em se tratando de veículos impressos de circulação diária, semanal ou
mensal, deverá ser observada a relação de uma tira nacional para cada tira
estrangeira publicada.

Art. 5º O Poder Público, por meio do órgão competente, implementará medidas
de apoio e incentivo à produção de histórias em quadrinhos nacionais, tais
como, estimular a leitura em sala de aula, promover eventos e encontros de
difusão do mercado editorial de histórias com quadros em seqüência voltadas
para o público infanto - juvenil e a inserção de disciplinas práticas, tais como
roteiro e desenho, no currículo das escolas e universidades públicas.

Art. 6º Os bancos e as agências de fomento federais estabelecerão programa
específicos para apoio e financiamento à produção de publicações em
quadrinhos de origem nacional, por empresa brasileira, na forma da
regulamentação.

§1º Na seleção dos projetos, será dada preferência àqueles de temática
relacionada com a cultura brasileira.

§2º Os projetos financiados com recursos públicos deverão destinar percentual
de, no mínimo, 10% da tiragem das publicações em quadrinhos para
distribuição em bibliotecas públicas, na forma da regulamentação.

Art. 7º Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

JUSTIFICAÇÃO
Conhecida como “banda desenhada”, “BD”, “história em quadrinhos” ou “HQ”, a
narração de histórias de forma seqüencial, conjugando texto e imagens,
publicadas no formato de revistas, livros ou em tiras, são um gênero de arte
que conquistou o mundo.

Não há país que não mantenha uma legião de admiradores e colecionadores
de histórias em quadrinhos, nos mais diversos formatos, estilos, gêneros e
temas. Surgidas no século XIX, as histórias em quadrinhos tiveram o seu berço
nos Estados Unidos, segundo alguns autores, com a publicação de “As
Canções de Cego”, editadas em 1820.

Alguns autores apontam, no entanto, que foi de Angelo Agostini, em 1869, no
Brasil, a idéia de fazer histórias ilustradas quadro a quadro. A primeira revista
em quadrinhos brasileira chamava-se “Tico Tico” e acredita-se que foi a
primeira do mundo a trazer histórias completas. Foi lançada em 1905 e em
seus primeiros anos limitava-se a reproduzir os quadrinhos norte –americanos,
principalmente Buster Brown e Tige de Richard Outcault ( renomeados como
Chiquinho e Jagunço).

Mas, apesar de ser uma arte antiga no País, o mercado nacional de historinhas
ilustradas sempre foi dominado pelas publicações estrangeiras, com
personagens como Yellow Kid, o Super Homem, o Batman, Tintin,
acompanhado do cão Milou, além de outros, como o marinheiro Popey e o
detetive Dick Tracy.

Majoritariamente, os autores nacionais seguem o estilo comics (como os
quadrinhos norte-americanos ficaram conhecidos, em função do humor) dos
super-heróis criados nos Estados Unidos. No caso dos Comics, alguns artistas
brasileiros, agenciados nos Estados Unidos, conquistaram fama internacional,
como Roger Cruz que desenhou o X-Men e Mike Deodato, que desenhou Thor,
Mulher Maravilha e outros. Além dos comics, os desenhos brasileiros também
foram fortemente influenciados pelos gibis japoneses, conhecidos como
Mangá.

A tira é considerada como estilo mais identificado com o brasileiro, tendo sido
usada, como elemento de resistência à ditadura militar ou de sátira aos
costumes nacionais. Entretanto, apesar de estarem há mais de 100 anos no
mercado nacional, e de terem ganhado o apelido de “ Gibi”, graças a uma
revista lançada em 1939, os quadrinhos brasileiros nunca ganharam grande
impulso.

Afora alguns títulos de menor expressão, o mercado brasileiro é identificado
apenas por um grupo de personagens, criado por um artista nacional: a Turma
da Mônica.

Atualmente, grande parte das revistas vendidas em bancas leva a assinatura
de Maurício Souza, o “pai” de Mônica, Magali, Cebolinha, Cascão e outras
personagens que marcaram gerações no Brasil, mantendo sempre o mesmo
estilo, a mesma mensagem, os mesmos papéis, mas em envelhecer ou perder
a atualidade. Atualmente, as revistinhas da Turma da Mônica são um
fenômeno mundial, tendo sido traduzidas para diversas línguas e sendo
vendidas em inúmeros países.

Para os estudiosos, o mundo dos quadrinhos, que já foi visto como inimigos da
aprendizagem por educadores, hoje representa um retrato de valores e
costumes de uma sociedade e reproduz para a criança um universo estável,
em meio a tantas mudanças e à insegurança que cerca o cotidiano da vida
moderna. Além de ser uma “válvula de escape” para a fantasia infantil, os
quadrinhos são uma grande forma de promover a cultura nacional.

O projeto que ora propomos leva em conta não apenas o potencial econômico
do mercado consumidor brasileiro, que hoje beneficia apenas a indústria de
entretenimento norte-americana e outras nacionalidades, mas também a
importância de fomentar um elemento de identidade cultural e manifestação
artística.

Por isso, sugerimos que sejam incentivadas as empresas que comprovem a
publicação de, pelo, 20 % de material nacional. O percentual estabelecido é
suficiente para romper a hegemonia estrangeira, mas sem impor uma limitação
exagerada aos quadrinhos que vem de fora, não representando, assim,
qualquer tipo de censura à liberdade de expressão e ao acesso à informação.

A analogia que fazemos é com a chamada “cota de tela”, prevista no art.55 da
Medida Provisória nº2. 228-1, de 6 de setembro de 2001, que determina que “
por um prazo de vinte anos, contados a partir de 5 de setembro de 2001, as
empresas proprietárias, locatárias ou arrendatárias de salas, espaços ou locais
de exibição pública comercial exibirão obras cinematográficas brasileiras de
longa metragem, por um número de dias fixado anualmente, por decreto,
ouvidas as entidades representativas dos produtores, distribuidores e
exibidores.”

A “cota de tela” constitui instrumento importante para incentivar a produção
cinematográfica nacional, por meio da obrigatoriedade de exibição de uma
quantidade mínima de películas nacionais nas salas de exibição de uma
quantidade mínima de películas nacionais nas salas de exibição em todo o
Brasil. Se temos as cotas para os filmes, podemos também ter as cotas para os
quadrinhos, como uma política temporária de incentivo, a ser extinta no
momento em que o setor se desenvolver e passar a caminhar de maneira
autônoma.

Para que esse crescimento ocorra, também estabelecemos que caberá ao
Poder Público, por meio de suas agências de fomento, financiar a produção de
quadrinhos nacionais. Há vários anos, o Banco Nacional de Desenvolvimento
Econômico e Social ( BNDES), por exemplo, cria uma linha de financiamento
para patrocinar o cinema brasileiro, desde a produção até a exibição.

Seguindo o mesmo modelo, e investindo um gênero de arte como os
quadrinhos, estamos convictos de que poderemos aumentar a presença
internacional do Brasil na área cultural, ainda considerada tímida e restrita
basicamente às novelas, com exportações anuais de cerca de US$ 60 milhões
(em 2006). Podemos fazer como a Coréia, onde os quadrinhos receberam forte
apoio estatal, e hoje são exportados para vários países, inclusive o Brasil.

Assim, sendo pedimos o apoio dos ilustres parlamentares para a aprovação da
norma proposta.

Sala de Sessões, em de de 2009.
Deputado VICENTINHOPT-SP

VAMOS DISCUTIR A LEI DOS 20% DE QUADRINHO NACIONAL?


Ilustra: Bira Dantas e Marcio Baraldi


MENSAGEM DO WORNEY

"Bira, recebi a mensagem abaixo e gostaria que você passasse para todo o pessoal da lista da AQC-ESP e de suas listas de cartunistas, quadrinhistas e ilustradores. Seria interessante que o pessoal lesse e opiniasse e enviasse as mensagens para a Patricia e para mim. Assim pode ser que nós como produtores possamos interferir em alguma coisa."
Worney Almeida de Souza

ENVIE SUA POSICAO PARA ESTES 2 EMAILs
produtoraculturalwaz@yahoo.com.br
patricia.rubin@camara.gov.br

MENSAGEM DO DEPUTADO RUI COSTA
De: Dep. Rui Costa
Assunto: PL 6060/2009 - Câmara dos Deputados
Para: produtoraculturalwaz@yahoo.com.br
14 de Julho de 2011

"Prezado, Worney,
Falo em nome do Deputado Federal Rui Costa (PT/BA), relator do Projeto de Lei 6060/2009, que tramita na Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. Este projeto de lei estabelece mecanismos de incentivo para a produção, publicação e distribuição de revistas em quadrinhos nacionais.
Pretendemos realizar uma Audiência Pública, no intuito de debater o assunto com os dois pólos interessados no referido projeto (quadrinhistas e editoras), e gostaríamos de uma posição do Presidente da Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas do Estado de São Paulo à respeito do Projeto e Lei 6060/2009, que segue em anexo.
Desde já agradeço e aguardo resposta.
Atenciosamente"
Patricia Rubin
Secretária Parlamentar
Gabinete Deputado Federal Rui Costa - PT/BA
Tel: 61-3215 5576 Fax: 61-3215 2576
E-mail: patricia.rubin@camara.gov.br

A LEI NA INTEGRA
http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2011/07/PL_6060_2009.pdf

O QUE FALARAM:
(Ederson):
"Como vai Bira!! Tudo bem?
Achei muito interessante e de grande valia o projeto, acho que vai gerar muito mais oportunidades para os artistas nacionais.
Um grande abraço!!!"
http://www.edersondesigner.blogspot.com

Site Impulso HQ
(Alexandre Manoel):
http://impulsohq.com/noticias/lei-discute-reserva-de-mercado-para-quadrinhos-nacionais/
"Tramita na Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados o projeto de lei nº 6060/2009 que estabelece mecanismos de incentivo para a produção, publicação e distribuição de revistas em quadrinhos nacionais.
Pelo projeto, as editoras serão obrigadas a destinar 20% de suas publicações aos quadrinhos brasileiros.
A mesma regra se aplica também às distribuidoras, obrigadas a terem pelo menos 20% de seu catalogo com trabalhos nacionais.
O projeto entende como quadrinho nacional toda obra realizada por artista brasileiro ou estrangeiro radicado no Brasil e que seja publicada por empresa sediada no Brasil. Mas não especifica o quanto desse material deve ser inédito ou não.
As editoras teriam um prazo de 4 anos para se adaptarem à lei. O percentual estipulado seria atingido da seguinte forma: 5% no primeiro ano de vigência desta lei; 10% por cento no segundo ano; 15% por cento no terceiro ano, atingindo-se a cota de 20% no ano subseqüente.
Em relação às tiras em veículos impressos de circulação diária, semanal ou mensal a lei prevê a proporção de uma tira nacional para cada tira estrangeira."

Site Puro Pop
http://www.puropop.com.br/quadrinhos/2011/07/20/lei-de-reserva-de-mercado-para-hqs-nacionais-da-sinal-de-vida/
"O Projeto de Lei obrigaria editoras e distribuidoras a ter ao menos 20% de quadrinhos nacionais em seu catálogo, ou seja, toda obra de artistas brasileiros ou estrangeiros radicados no país publicada por uma editora sediada no Brasil, mas sem detalhar quanto disso deveria ser inédito ou não.
A lei, caso aprovada, daria às editoras um prazo de quatro anos para se adequarem nessas exigências. No primeiro ano a cota seria de 5%, no seguinte 10% e por aí em diante até completar os 20% no quarto ano. Enquanto no caso das tiras em periódicos impressos (jornais, revistas e etc) a cota seria de uma tira nacional para cada tira estrangeira. Além disso, a lei exigiria do poder público a promoção de eventos e a difusão do mercado de quadrinhos para o público infanto-juvenil e também a aplicação de disciplinas práticas (como roteiro, desenho, processo editorial) no currículo das escolas e universidades públicas de todo o país.
Para ajudar no projeto, o deputado Rui Costa (que nada tem sobre a PL em seu site, vamos corrigir isso aí) liberou nota anunciando a pretensão de promover uma audiência pública para debater sobre a lei com quadrinistas, distribuidores e editores; os maiores interessados. Ainda não temos nenhuma data definida.
O engraçado? O engraçado é que o mercado nacional só tem se fortalecido mais e isso sem que obriguem as editoras a entupirem bancas e livrarias com lixo porque precisavam de qualquer coisa para cumprir a cota. Ou seja, está acontecendo como se deve: porque o mercado procura autores nacionais, não porque uma lei obrigou as editoras a publicá-los."

JBlog
(Pedro de Luna)
2006
http://www.bigorna.net/index.php?secao=noticias&id=1153520205
"O dia 19 de julho de 2006 tem tudo para entrar na História dos Quadrinhos Brasileiros. Foi nesta data que, (conforme divulgado aqui), aconteceu o encontro entre a classe e o Deputado Federal Simplício Mário (PT-PI) para discutir o Projeto de Lei 6581/06 que incentiva a produção da HQ Nacional. A reunião, realizada das 10h às 12h45 no Rio de Janeiro, reuniu formadores de opinião num local mais que adequado quando o assunto é lei: a Escola Superior Cândido Mendes. Organizado por mim, o bate-papo contou com a presença do professor e pesquisador Moacy Cirne; o encarregado de marketing da editora Pixel Media Hélio Lopes; os jornalistas Telio Navega (O Globo); Heitor Pitombo (Mosh!) e Marcelo Ribeiro (O Dia, do Piauí); o roteirista Carlos Eugenio "Patati"; os quadrinhistas Andrei Duarte (Araribóia Zine), Luimar (Banda Grossa) e Bernardo Aurélio (Piauí), entre outros.
Inicialmente, o deputado explicou a origem do projeto - concebido na Semana de Quadrinhos do Piauí - e esclareceu que o mesmo encontra-se na Comissão de Educação e Cultura, onde o relator Deputado Carlos Biffi incluirá o resultado da discussão."

http://www.jblog.com.br/quadrinhos.php?itemid=25634
"Uma das maneiras de conquistar maior apoio governamental é através da legislação federal. Desde 2006, tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 6581/06 que estabelece mecanismos de incentivo para a produção, publicação e distribuição de revistas em quadrinhos nacionais. Em seu artigo 2o, ele prevê que “as editoras deverão publicar um percentual mínimo de 20% de HQs de origem nacional”. Na prática, os lançamentos seriam graduais – apenas 5% no primeiro ano de vigência da lei, 10% no segundo e assim sucessivamente – levando quatro anos para atingir a cota de 20%. Uma analogia com a chamada “cota de tela” (art. 55 da Medida Provisória 2.228-1 de 06/09/2001) que, na teoria, abre mais espaço para os filmes nacionais nas salas de cinema.
O criador do projeto é o ex-deputado Simplício Mario, do PT do Piauí, e pai do quadrinista Bernardo Aurélio. Como o parlamentar não se elegeu em 2008, o projeto ficou estacionado no congresso nacional. Mas o artista não desiste fácil:
Não acompanhei mais a lei. Ficou atropelada por falta de alguém cuidando dela. A ideia que ainda considerei trabalhar foi tirar a obrigatoriedade da publicação por uma troca de incentivos fiscais caso a editora alcançasse a cota, mas não consegui apoio ou estímulo. Com o resultado dessa eleição, posso ver se vou à luta de novo...
Em resumo, ainda temos que nos unir e batalhar mais para engrossar o caldo do pirão."

(Ale Nagado):
O que é o Mercado de Quadrinhos Nacionais?
http://www.ambrosia.com.br/2011/06/03/e-mercado-de-quadrinhos-nacionais/

NESTA SEGUNDA, LANCAMENTO DE O ATENEU EM QUADRINHOS, EM CAMPINAS


Flyer no Facebook:
http://www.facebook.com/event.php?eid=147680115309563

IMPULSO HQ
http://impulsohq.com/noticias/o-ateneu-em-quadrinhos/

(Matheus Moura)
"Adaptação em quadrinhos apresenta o romance mais popular de Raul Pompéia, que foi publicado originalmente em 1888, primeiro em folhetins e logo depois em livro. A obra traz o drama de um menino que, arrancado do lar, é enviado para um internato.
Com texto de Ronaldo Antonelli e ilustrações de Bira Dantas, a HQ que faz parte da
coleção Literatura Brasileira em quadrinhos da editora Escala Educacional, traz um belo roteiro e traços divertidos e coloridos, que aproxima o jovem leitor do estilo realista da obra original.
O primeiro bate-papo foi no dia 11 de junho, na HQMIX Livraria em Sao Paulo. Já quem não pode comparecer nesse dia terá uma segunda oportunidade no dia 25 de julho, segunda-feira, na FNAC Campinas, a partir das 19h.

O Ateneu em Quadrinhos
Autor: Raul Pompéia
Roteiro de: Ronaldo Antonelli
Ilustrações de: Bira Dantas
Editora: Escala Educacional
17 x 24 cm
Lombada quadrada
4 cores
64 páginas
R$ 23.90

FNAC Campinas
Avenida Guilherme Campos, 500 – Santa Genebra
CAMPINAS – SP

14 de jul de 2011

Worney Almeida convidado do programa HQ Além dos Balões


(Enviado por Fábio Sales do programa HQ além dos Balões)
-
Já está no ar mais um programa HQ Além do Balões. Nosso programa foi homenageado com o Troféu Bigorna na categoria "Grande Contribuição à HQ Nacional" e foi indicado ao Troféu HQMix na categoria "Mídia sobre Quadrinhos".http://www.blogger.com/img/blank.gif

Nesta edição entrevistamos Worney Almeida de Souza, que nos falou sobre dois lançamentos de material pesquisado por ele. São dois resgates históricos. O primeiro é o livro "Messias de Mello e o espiritismo" editado pela "Marca de Fantasia". Trata-se da reunião de histórias em quadrinhos que são adaptações de contos psicografados por Chico Xavier, produzidas pelo artista Messias de Mello, além de 20 ilustrações e uma entrevista concedida na década de 80. O segundo livro é "Garra Cinzenta", uma compilação com todos os capítulos produzidos deste personagem no final da década de 30, mais um apanhado histórico desta criação. Neste livro editado pela "Conrad", Worney conta a história e os mistérios dos autores Francisco Armond e Renato Silva.

Veiculamos mais uma animação do "Tulípio", personagem desenvolvido por Eduardo Rodrigues e Paulo Stocker. Mostramos e comentamos as adaptações no estilo mangá de duas obras de Shakespeare, "Romeu e Julieta" e " Hamlet" da série "Mangá Shakespeare" que a Editora Record está trazendo para o Brasil. Também mostramos a edição nº 9 da revista "Café Espacial" recentemente lançada.http://www.blogger.com/img/blank.gif

Para acessar o HQ, além dos balões é só digitar e entrar no endereço www.hqalemdosbaloes.com (caso o link não funcione, é só digitar o endereço em seu navegador). Estamos também no facebook, é só procurar por "HQ além dos balões". Confira também o quadro HQ, além dos balões no programa Mask, também no facebook.

Muito obrigado e um grande abraço,

Fábio Sales

12 de jul de 2011

TATUMAN, XAXADO DE CEDRAZ E SÃO JORGE DA MATA ESCURA






Estou em Salvador, pessoal.
Amanhã volto para Campinas, mas antes gostaria de mostrar as tiras que fiz em homenagem ao Mestre do Quadrinho Nacional, Cedraz e gostaria de dizer que considero os Quadrinhos da Turma do Xaxado, um dos melhores do Brasil (não é só meu personagem Dasi Podideos, que pensa assim).
A equipe de Cedraz está de parabéns por considerar a inteligência do público dos Quadrinhos infanto-juvenis e adultos.
É uma honra publicar no Correio Popular (Campinas/SP) as tiras do Tatu-man diariamente junto com a Turma do Xaxado, que certamente vai extrapolar o circuito nordestino, Cedraz me contou de vários projetos nacionais (voltou a publicar no jornal A Tarde), internacionais (Itália), e inclusive na área da Animação.
Mas não vou adiantar nada, por enquanto, procurem no Blog.
http://turmadoxaxado.blogspot.com/
Pois encontrei Cedraz, Marcello Fontana, André Leal, Naara Nascimento, autores que autografaram muito "São Jorge da Mata Escura".
Mais fotos aqui
http://www.fotolog.com.br/bira2009/56562018
E aqui
Naara Nascimento, Cedraz, Sidney Falcão, eu, Marcello Fontana e André Leal.



http://pigarts.blogspot.com/2011/07/fotos-do-lancamento-da-hq-sao-jorge-da.html
Sabado, dia 08 de julho de 2011, um dia com tempo frio e chuvoso. Com este clima ocorreu o lançamento da Hq "São Jorge da Mata Escura"! O título é um lançamento da RV Cultura e Arte , que sediou o evento, produtora cultural que elabora e desenvolve projetos relacionados a arte contemporânea e histórias em quadrinho, e onde pode ser adquirido a revista, e fica localizada na Rua Barro Vermelho 32, Rio Vermelho, Salvador/BA.
Além do prazer de reencontrar os amigos do peito Cedraz, Lucas Pimenta e Lillo (ambos Quadrados-bloggers), e conhecer em carne e osso, meu velho web-amigo-companheiro de Quadrinhos (Front), André Leal
http://ibahia.com/impressao/noticia/talentos-baianos-se-destacam-no-mercado-das-hqs-e-ilustracao/
Falcão, desenhista da equipe de Cedraz
http://www.xaxado.com.br
a ex-colega de fotolog Naara Nascimento
http://www.flickr.com/people/naaranascimento/
(ótima ilustradora, foi desativada pela burrice dos administradores do fotolog.com) e os Quadrados Sérgio e Adalton (também Quadrado-bloggers), além dos amigos da revista ganhadora do Angelo Agostini (votei nela no HQMix) Lucas da Feira de Sant´ana da Vila.
Foi bom demais.
http://quadro-a-quadro.blog.br
Mais detalhes da revista aqui:
http://hqsaojorgedamataescura.wordpress.com

"Flávio Colin disse certa vez, "que é fundamental que as nossas histórias em quadrinhos mostrem o Brasil aos brasileiros".
O conselho do mestre é seguido por Marcello Fontana e André Leal, com participação de Antônio Cedraz e Naara Nascimento na HQ São Jorge da Mata Escura.
A Bahia de Jorge Amado, Caetano Veloso, Flávio Luiz e tantos outros filhos dessa mágica terra é retratada com fidelidade na trama que apresenta Jorge, Bárbara e Jarcisley, três jovens do bairro da Mata Escura na capital baiana, que cresceram juntos, mas possuem pensamentos bem distintos.
Jorge é um homem decente, honesto, de fé e coragem – como Oxóssi -, apaixonado por Bárbara, uma bela mulher, – como Iansã - audaciosa, poderosa e autoritária que sonha em subir na vida, e Jarcisley, o malandro da história, dual – como Oxumaré – se moldou aos aspectos sociais que o envolvia na periferia em que cresceu, torna-se chefe do tráfico de drogas e é quem vai mostrar a Bárbara como alcançar o que deseja, sem medir sacrifícios para atingir seus objetivos, só que para isso Jarcisley precisa tirar Jorge do seu caminho."

DIA 23/JULHO LANÇAMENTO NA HQ MIX LIVRARIA
19h30
http://livrariahqmix.blogspot.com
Com a presença dos bainao na Livraria HQ Mix
Praça Franklin Rossevelt, 142